Diretrizes para criação de disciplinas da Etapa de Preparação Pedagógica

As Unidades que desejam oferecer disciplinas que sejam aceitas como Etapa de Preparação Pedagógica do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino devem solicitar tal credenciamento à Comissão Central PAE, por processo ou protocolado, e seguir as orientações contidas no documento "Diretrizes para as Disciplinas da  Etapa de Preparação Pedagógica", aprovado em reunião do Conselho Universitário realizada em 22/08/2012 .

  •  Faça downloado do documento clicando aqui.

 

 

Diretrizes para as  Disciplinas da Etapa de Preparação Pedagógica

O Programa de Aperfeiçoamento de Ensino tem como objetivo principal propiciar aos alunos de pós-graduação, matriculados nos cursos de mestrado e doutorado na Universidade de São Paulo, uma primeira aproximação com os aspectos políticos, teóricos e metodológicos que permeiam as ações de ensino e aprendizagem a serem por eles coordenadas em instituições de ensino superior. Compreende-se que para dar conta dos aspectos pedagógicos e didáticos da formação de estudantes em cursos de graduação, os futuros professores precisam vivenciar as duas etapas previstas pelo PAE: a Preparação Pedagógica e o Estágio Supervisionado em Docência, que são necessariamente articuladas e interdependentes. 

I - Justificativa

Hoje é generalizado o reconhecimento de que a docência no ensino superior tem se tornado cada vez mais complexa, o que exige dos docentes a capacidade de lidar com os contextos culturais, políticos e pedagógicos que envolvem os objetos de ensino, os contextos sociais e institucionais e os sujeitos envolvidos. Dessa complexidade deriva o entendimento de que o trabalho docente precisa ser desenvolvido com muito cuidado e fundamento, pois ele é – em sua essência – o lugar da formação de pessoas, que também são profissionais.

Como o ensino é uma atividade que requer conhecimentos específicos, consolidados por meio de fundamentos pedagógicos e didáticos voltados especialmente para esse fim, as atividades que os pós-graduandos vivenciam no contexto do PAE cumprem o inestimável papel de aproximá-los do exercício da docência e de todas as ações por ele demandadas. A realização da Etapa de Preparação Pedagógica, articulada com o Estágio Supervisionado em Docência, constitui-se no espaço de aproximação, não só das ações que se desenvolvem em sala durante a aula, mas também do conjunto de decisões que lhe são pressupostas, como as opções político-educacionais relativas ao currículo, aos projetos, à disciplina, à articulação entre ensino, pesquisa e extensão, à avaliação, etc.

Assim, a Pró-Reitoria de Pós-Graduação da Universidade de São Paulo, em sintonia com as atuais transformações sociais e consciente do papel exercido pelos egressos de seus programas de pós-graduação no cenário do ensino superior brasileiro, estabelece diretrizes para a etapa de Preparação Pedagógica do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino – PAE, com a intenção de assegurar aos pós-graduandos o acesso a algumas referências essenciais a uma importante dimensão do seu futuro exercício profissional, que é a docência.

Objetivo geral

As disciplinas de Preparação Pedagógica do PAE deverão assegurar aos pós-graduandos o acesso aos conhecimentos específicos referentes às múltiplas dimensões pressupostas ao processo de ensino-aprendizagem no ensino superior, para que possam constituir as bases pedagógico-didáticas necessárias ao futuro exercício da docência nesse nível de ensino. 

Objetivos específicos

• Assegurar o acesso às teorias educacionais necessárias à compreensão da prática docente e favorecedoras do desenvolvimento de ações educativas sustentadas em modos atualizados de se abordar os conteúdos e em novas maneiras didáticas de ensiná-los.

• Aproximar os pós-graduandos das decisões que são pressupostas à realização das aulas, como as opções político-educacionais relativas a currículo, projetos, planejamento, organização da aula, metodologias e estratégias didáticas, disciplina, avaliação, dentre outros aspectos.

• Envolver os pós-graduandos com as peculiaridades da interação professor-aluno, possibilitando-lhes agir e interagir com os estudantes em formação, mediando e problematizando o contato com o mundo do conhecimento e a realidade social onde se inserirão como futuros profissionais.

Conteúdos possíveis de serem abordados:

  • Compreensão das distintas concepções de ciência e de modos de produção do conhecimento e seus limites e possibilidades para o desenvolvimento do ensino.
  • Elementos da historicidade da universidade e suas influências nos diferentes modos de organização curricular, de atuação docente, de organização da aula e de avaliação da aprendizagem.
  • Papel dos contextos e das normas políticas, da gestão e do financiamento na qualidade do ensino. 
  • Influência da Lei e Diretrizes Bases da Educação Nacional - LDBEN nº 9394/96 e das diretrizes curriculares de cada campo de formação na organização do currículo. 
  • Importância do Projeto Político Pedagógico (PPP) enquanto expressão das demandas sociais e das tendências acadêmicas. 
  • Importância da ação conjunta e coletiva dos docentes para a constituição de princípios orientadores do curso e para a articulação e integração transversal entre distintas áreas de conhecimento. 
  • Importância do conhecimento a respeito da totalidade do curso, da integração entre as áreas e os conteúdos, bem como da articulação teoria-prática. 
  • Organização do plano de curso, que envolve a definição dos objetivos, conteúdos, metodologias de ensino e formas de avaliação da aprendizagem.
  • Modos de organização da aula que sejam favorecedores da inovação do processo de ensino-aprendizagem, da autonomia do aluno e da aprendizagem significativa. 
  • Possibilidades de acompanhamento do processo formativo, por meio de dados decorrentes da avaliação da aprendizagem, das ações de participação discente, dos possíveis conflitos com vistas à análise dos resultados obtidos.

Encaminhamentos:

Para que o PAE cumpra seus objetivos, as disciplinas da Etapa de Preparação Pedagógica precisam constituir-se em espaços formativos que possibilitem o acesso às teorias educacionais necessárias à compreensão da prática docente e lhes permitir o desenvolvimento de ações educativas sustentadas em modos atualizados de abordar os conteúdos e em novas maneiras didáticas de ensiná-los e avaliá-los.

A validação dessas disciplinas passa necessariamente pelos canais instituídos em cada Unidade e pelo encaminhamento à PRPG para a devida aprovação. Para tanto é requisito a apresentação de:

  • • Ementa descritiva dos objetivos, conteúdos, atividades a serem desenvolvidas por docentes e alunos, modos de avaliação, bibliografia e carga horária.
  • • Estabelecimento de atividades diretamente relacionadas com as ações de ensino, a serem realizadas pelos pós-graduandos, como parte a preparação pedagógica: elaboração de textos referentes à problemática do ensino (monografias), apresentação de seminários, elaboração de plano de aula e, ou de atividades para laboratório, revisão do plano da disciplina, construção de materiais didáticos específicos, dentre outras. Todas deverão estar claramente incluídas no processo avaliativo da preparação pedagógica.

 

Sugestões de Bibliografia e Viodeografia 

1- Com a intenção de disponibilizar o acesso a algumas obras bibliográficas a respeito da problemática de ensinar a alunos do Ensino Superior, seguem alguns títulos de referência, reconhecidos na área da docência universitária, o que evidentemente não esgota a vasta oferta de livros e artigos nesse campo e nem se coloca como algo a ser seguido em todas as disciplinas destinadas à Etapa de Preparação Pedagógica.

ANASTASIOU, L. G. C. & PESSATE, L. (ORGS). Processos de Ensinagem na Universidade – pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. Joinvile: UNIVILLE, 2003.

CASTANHO , M.E. Professores e inovação. In . CASTANHO, S. e CASTANHO, M.E : O que há de novo na educação superior. Campinas: Papirus, 2000. 

CHAUI, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. In Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: ANPED, n.24, 2003, p.1-12.

CONFERÊNCIA Mundial sobre o Ensino Superior (1998:Paris, França). Tendências da Educação Superior para o Século XXI - UNESCO/Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras, 1998.

CUNHA, M. I. O professor universitário na transição de paradigmas. Araraquara: J. M. Editora, 1998.

_______.  Aula universitária: inovação e pesquisa.  In: LEITE, Denise; MOROSINI, M. (Orgs).  Universidade futurante: produção do ensino e inovação.  Campinas: Papirus, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

MASETTO, M. O professor na hora da verdade – a prática docente no ensino superior. São Paulo: Avercamp. 2010.

MORIN, E. Complexidade e transdisciplinaridade – a reforma da universidade e do ensino fundamental. Natal: EDUFRN, 2000.

PIMENTA, S. G. e ANASTASIOU, L. G. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002. 

PIMENTA, S. G. e ALMEIDA, M. I. Pedagogia Universitária. São Paulo: EDUSP, 2009.

________. Pedagogia Universitária – caminhos para a formação de professores. S. Paulo: Cortez Editora, 2011.

SANTOS, B. de S. Um discurso sobre as ciências. Edições Afrontamento. Porto. 1999.

VEIGA, I. P. & CASTANHO, M. E. (orgs) Pedagogia Universitária – a aula em foco. Campinas: Papirus, 2000.

ZABALZA, M. A. O ensino universitário: seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre: Artmed, 2004.

 

2- Com a intenção de disponibilizar o acesso a alguns vídeos a respeito da problemática de ensinar a alunos do Ensino Superior, seguem algumas gravações realizadas na Universidade de São Paulo, no âmbito do trabalho de formação continuada destinado aos professores da própria Universidade, que estão disponíveis na página da Pró-Reitoria  (www.usp.br/prpg - Etapas de Preparação Pedagógica – Cadernos ou Vídeos de Pedagogia), o que evidentemente não esgota a vasta oferta de vídeos disponíveis na internet e nem se coloca como as únicas opções a serem adotadas pelas disciplinas destinadas à Etapa de Preparação Pedagógica.

Vídeo nº 1 - RUÉ, Joan. A Aprendizagem com autonomia: possibilidades e limites. 

Vídeo nº 2 - EZCURRA, Ana Maria. – Os estudantes recém-ingressados: democratização e responsabilidades das instituições universitárias.

Vídeo nº 3 – SEVERINO – Ensino e pesquisa na docência universitária: caminhos para a integração.

Vídeo nº 4 – KRASILCHIK, Myriam. Docência no ensino superior: tensões e mudanças.

Vídeo nº 5 – MACHADO, Nilson José. Imagens do conhecimento e ação docente no ensino superior.

Vídeo nº 6 – CUNHA, Maria Isabel da. O desafio da reconfiguração de saberes na docência universitária.

Videoconferência nº 7 – KENSKI, Vany Moreira. Novos processos de interação e comunicação no ensino mediado pelas tecnologias.

Vídeo nº 8 – FORMOSINHO, João Oliveira. Dilemas e tensões da atuação da universidade frente à formação de profissionais de desenvolvimento humano. 

Vídeo nº 9 – RIOS, Terezinha Azeredo. Ética na docência universitária: a caminho de uma universidade pedagógica?

Vídeo nº 10 – FRANCO, Maria Amélia Rosário Santoro. Prática docente universitária e a construção coletiva de conhecimentos.

Vídeo nº 11 – LIBÂNEO, José Carlos. Conteúdos, formação de competências cognitivas e ensino com pesquisa: unindo ensino e modos de investigação.

Últimas Notícias

O evento incorporado ao 3º Congresso de Graduação visa o debate do aperfeiçoamento do Ensino no nível Superior e compartilhar as experiências vividas pelos Estagiários do Programa de Aperfeiçoamen...


Leia mais...
Foto: Marcos Santos / USP Imagens

EDITAL PRPG 4/2017 - MOBILIDADE DOCENTE - INSCRIÇÕES ATÉ 14 DE JUNHO


Leia mais...

Próximos Eventos

FAQs - Destaques

Não é permitido, conforme as Portarias do PAE, esse programa é facultado somente a alunos regularmente matriculados nos cursos de Mestrado ou Doutorado.

Não. O Convênio que rege o programa de Dupla-titulação deve ser estabelecido antes do aluno iniciar as atividades relativas a esse programa. Para que haja garantia de validade, todas as atividades devem ser realizadas durante a vigência do convênio.

a) Equivalência: a solicitação é feita no Serviço de Pós-Graduação da Unidade e tem efeito, exclusivamente, no âmbito da Universidade de São Paulo.

b) Reconhecimento: a solicitação é feita através da Divisão de Registros Acadêmicos da Secretaria Geral (DRA/SG) e, caso aprovada, a validade tem âmbito nacional.

Esta contabilização fica a cargo da CPG da unidade, que deve analisar a carga horária do curso e verificar a compatibilidade com os cursos de Graduação da USP.

Sim, até um dia antes do prazo máximo para realização do exame de qualificação do interessado, o Serviço de Pós-Graduação pode efetuar a alteração da Comissão Examinadora.

Janus

Sistema integrado de alto nível para a administração da pós-graduação da USP.

 

Biblioteca Digital

Permite a publicação dos trabalhos de alunos e orientadores, é uma iniciativa global reconhecida pela UNESCO.

 

Portal Alumni

Ferramenta on-line disponível para que ex-alunos estabeleçam rede de contatos e se beneficiem com serviços e vantagens.

eDisciplinas

Curso de introdução à Pós-Graduação produzido pela PRPG